Publicidade Venus Creations

 

 

Versão Original
(Abre numa nova janela)

English Version

Version Française

 

EDITORIAL

SÁBADO 9 DE SETEMBRO DE 2017  

Desvios de poder

Por Joana Petiz

Ainda há orçamentos por desenhar, autárquicas por realizar e muita água há de passar debaixo da ponte até às próximas eleições legislativas. Mas entre os líderes partidários da esquerda parece que cada vez mais se trabalha no sentido de maximizar ganhos e controlar perdas de poder no governo que sair dessas eleições de 2019. Partindo do princípio de que um PSD dividido e enfraquecido não se juntará ao CDS de Cristas nem repetirá daqui a dois anos a última vitória eleitoral, o governo de António Costa vai desfazendo alguns dos nós que aceitou atar à esquerda e plantando cenouras pelo caminho para atrair o PSD de forma a poder libertar-se dos atuais parceiros em questões que lhe são fundamentais. A insistência na maioria de dois terços para aprovar grandes investimentos públicos é disso o melhor exemplo. Esse lento mas óbvio afastamento torna-se tão mais necessário quanto mais as exigências de PCP e Bloco sobem de tom, clamando-se pelo descongelamento imediato de todas as carreiras da função pública - que implicaria um gasto três vezes superior ao que o governo está disposto a fazer -, por aumentos generosos nas pensões e no salário mínimo, por um maior desdobramento de escalões de IRS. Consciente das contas de Mário Centeno, dos compromissos para com as instituições e da decrescente necessidade que tem de se apoiar nesses parceiros, o primeiro-ministro continua a fazer os acordos necessários. Mas, é evidente, a esquerda pressente o seu distanciamento. E vai reagindo. O que explica a clareza com que Jerónimo de Sousa e Catarina Martins dizem que o caminho a três "resultou de uma conjuntura muito concreta" e "não repetível" - palavras idênticas de ambos, ainda que separadas por três meses. E justifica que a líder do BE vá preparando terreno, apregoando os malefícios de o PS obter maioria absoluta e ao mesmo tempo dizendo-se disponível para formar governo. As autárquicas acontecem em menos de um mês, mas os líderes já só querem saber das legislativas.

 

Clique aqui para ler mais notícias

Contactos - Política de Privacidade - Termos de Utilização
© Venus Creations. Todos os Direitos Reservados.